Como a análise genética ajuda a cultura da soja?

Análise de solo melhora produtividade da soja

Atualmente, o Brasil é o segundo maior produtor de soja do mundo, atrás apenas dos EUA. Em 2020/21, o país produziu cerca de 135 mil toneladas e destinou boa parte ao exterior, mantendo a soja como nosso principal produto de exportação.

No entanto, apesar do alto valor econômico dessa cultura, os problemas enfrentados no cultivo ameaçam a produtividade e podem gerar prejuízos. Um bom exemplo são as doenças da soja, principalmente as causadas por fungos.

Dessa forma, vale explicar como a análise genética do solo pode ajudar a enfrentar os problemas da cultura da soja, otimizando a produção. Confira:

Principais pragas e doenças da cultura da soja

Entre as doenças que podem afetar as lavouras de soja, a principal é a ferrugem. Provocada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi, ela causa desfolha precoce e impede a formação dos grãos. 

Além disso, outra ameaça sofrida pela soja é o oídio. Causada pelo fungo Erysiphe difusa, essa doença confere uma coloração branca e bege nas partes aéreas das plantas e provoca a queda prematura das folhas.

Já entre as pragas, a infestação por insetos (lagartas, em geral) é uma das principais ameaças, dada a dificuldade do controle durante o crescimento da planta.

Fora as dificuldades climáticas relacionadas ao calor ou seca, fatores que também podem prejudicar o crescimento vegetal e gerar prejuízo financeiro.

O avanço da análise genética do solo

Entre as possibilidades de análise, a busca por dados genéticos para o estudo do componente biológico do solo tem aumentado nos últimos anos. Isso se deve basicamente pela redução dos custos da análise de DNA, permitindo maior aplicação comercial.

Na análise genética do solo, o DNA é extraído e sequenciado para que, posteriormente, essa informação seja utilizada na identificação dos organismos presentes e das respectivas funções exercidas.

De acordo com o biólogo Robert Cardoso de Freitas, a análise genética permite descrever os organismos vivos de um solo de forma mais completa, o que pode ser usado para gerenciar os problemas do solo, preventivamente ou não.

A aplicação da Agri-Analysis pelos sojicultores

A Biome4All tem adotado a ferramenta de interpretação de dados genéticos Agri-Analysis no estudo dos microbiomas de solos cultivados com soja, extraindo informações úteis na solução dos problemas enfrentados neste tipo de cultura.

Com ela, o produtor consegue detectar a presença de fungos prejudiciais à soja e mensurar a frequência de gêneros microbianos atuantes no biocontrole de pragas, bem como a frequências de genes associados com a produção de substâncias que inibem o crescimento de organismos prejudiciais.

Em relação ao clima, a Agri-Analysis consegue mensurar o potencial natural da microbiota do solo para a proteção da soja e de outros estresses. Nisso, determina-se a frequência dos genes que codificam os atributos benéficos em fungos e bactérias. No caso da seca, estes atributos incluem a produção de exopolisssacarídeos, da enzima ACC deaminase e de ácido salicílico.

Assim, considerando a natureza multifuncional dos dados gerados a partir do DNA, a análise genética representa um novo horizonte de caracterização dos solos, visando garantir eficiência e sintonia com as demandas atuais de qualidade ambiental.

Texto: Prof. Marcus Adonai Castro da Silva, microbiologista e co-fundador da Biome4All