Três doenças da soja causadas por fungos

As doenças da soja, como as pragas agrícolas em geral, são uma das principais preocupações do produtor. Entre elas, os fungos estão entre os organismos mais prejudiciais. Isto porque eles provocam grandes perdas de produção. Desta maneira, irei abordar neste texto algumas das doenças causados por fungos. Especialmente, me foquei na soja, por ela ser uma das principais culturas brasileiras.

Antracnose, uma das principais doenças da soja

Uma das principais doenças da soja é a antracnose. O responsável por esta doença é o fungo Colletotrichum truncatum. Este fungo é muito comum em lavouras de soja. Entretanto, ele também infecta outras culturas. Porém, na soja, a antracnose é responsável por grandes perdas de produtividade. Além disso, ela também provoca a perda da qualidade dos grãos.

A entrada do fungo que causa antracnose em uma lavoura ocorre através de sementes infectadas. Porém ela também se dá a partir de restos de culturas. Ou então, a partir de outras plantas que são infectadas por ele. Contudo, uma vez estabelecido em uma planta, o fungo se disseminar de forma passiva.

Nós podemos observar os sintomas de antracnose em várias partes das plantas. Eles incluem manchas de coloração castanha a escura nas folhas, nos pecíolos e nas vagens. A antracnose é mais intensa no cerrado. Isto se dá, pois as condições da região são propícias ao fungo que a causa.

O controle da antracnose envolve o manejo integrado. Ele inclui o uso de sementes sadias e o tratamento com fungicidas. Além disso, a rotação de culturas pode ser usada de maneira eficaz para controlar o fungo. Também há a opção de utilizar cultivares mais resistentes a esta doença.

Por outro lado, o monitoramento do solo é outra ação que pode ser adotada neste manejo desta doença. Uma opção é a análise genética do solo, realizada pela BIOME4ALL através da Agri-Analysis. Com ela podemos monitorar o fungo e organismos que naturalmente podem combatê-lo.

O mofo branco da soja

Sclerotinia sclerotiorum é o fungo que causa o mofo branco ou podridão branca. Como na antracnose, o mofo branco afeta uma boa parte das regiões de cultivo de soja. Além disso, ele também afeta outras culturas. Em todos os casos, o principal efeito desta doença é a redução do rendimento da lavoura.

O mofo branco se caracteriza por lesões encharcadas. Eventualmente estas se tornam escuras. Associadas a elas ocorre a produção de grandes quantidades de um micélio branco.

O mofo branco se desenvolve em condições de alta umidade e temperaturas amenas. Entretanto a sua introdução ocorre especialmente por sementes contaminadas. Além disso, o fungo sobrevive no solo como esporos por muitos anos. Logo, o próprio solo pode ser fonte de infestações.

O controle do mofo branco, como em outras doenças da soja, depende do uso conjunto de diversas medidas. Uma delas é o uso de sementes sadias. Além dela, também podemos adotar o tratamento das sementes com fungicidas. Contudo, o emprego de rotação de culturas é mais limitado neste caso. Isto se dá pelo grande número de plantas infectadas pelo fungo do mofo branco. Por outro lado, o plantio direto pode contribuir para limitar a dispersão de esporos. Por último, existe a possibilidade de controle biológico com fungos do gênero Trichoderma.

A ferrugem asiática da soja

Nós diagnosticamos a ferrugem asiática no Brasil em 2001. Atualmente, ela está presente em quase todas as regiões que produzem soja. O fungo que causa esta doença é a espécie Phakopsora pachyrhizi. Os seus sintomas são manchas de coloração castanha e a desfolha precoce. De qualquer maneira, o efeito resultante é a redução de produtividade.

A medida de controle mais eficaz é química. Porém o controle de plantas invasoras contribui para suprimir a doença. Além disso, pode-se buscar cultivares resistentes ao fungo. No entanto isto parece ser mais difícil de se obter. Isto ocorre, pois as respostas das plantas às raças do fungo diferem bastante.

Dr. Marcus Adonai Castro da Silva – cofundador da Biome4all.