A biodiversidade microbiana em solos cultivados

Ecossistema do solo

Biodiversidade é uma palavra que descreve a variedade de organismos encontrados em um determinado ecossistema. O número de espécies diferentes e a abundância de cada uma dessas espécies compõem a biodiversidade de um local. Logo, quando falamos que um ambiente apresenta alta biodiversidade, não queremos dizer apenas que este ecossistema apresenta um número elevado de organismos, mas também que há um equilíbrio em relação ao número de indivíduos de cada espécie presente.

Importância da biodiversidade

A biodiversidade de um ecossistema é fundamental em vários aspectos. Primeiramente, existe uma relação entre a biodiversidade de um local e a sua resiliência, assim, ambientes mais diversos tendem a ser mais resistentes. Isto foi demonstrado por Maestre e colaboradores (2012) em um estudo da diversidade global de plantas em solos áridos. Além disso, ecossistemas mais diversos geralmente também se mostram mais produtivos.

O aumento da biodiversidade proporciona mais funcionalidades para um ecossistema, uma vez que a presença de um maior número de organismos diferentes resulta em uma melhor versatilidade em relação aos processos que ocorrem neste local. Por último, este aumento da funcionalidade associado com a presença de uma maior variedade de organismos, resulta em uma maior oferta de serviços ecossistêmicos. Os serviços ecossistêmicos são todos os serviços que o ambiente fornece aos humanos e que são essenciais para a sobrevivência da nossa espécie.

A função da biodiversidade nos solos cultivados

Além da importância da biodiversidade dos ecossistemas em geral, é possível identificar benefícios mais específicos para os agroecossistemas. Solos mais diversos proporcionam, por exemplo, uma maior resistência dos cultivos ao estresse ambiental. O aumento da biodiversidade também proporciona uma maior produtividade agrícola, em grande parte associada ao aumento de funcionalidades que este solo realiza para a lavoura, seja em relação à fertilidade, resistência às pragas e promoção de crescimento vegetal.

Apesar desses benefícios, há uma tendência de ocorrer a perda da biodiversidade em solos cultivados. Isto depende do tipo de regime produtivo adotado, porém ela ocorre invariavelmente, em maior ou menor grau. Com esta redução na biodiversidade, o produtor pode estar deixando de se beneficiar de muitos dos serviços ecossistêmicos proporcionados pelo solo.

O reconhecimento desse fato nas últimas décadas resultou em um aumento do interesse de se conhecer melhor a biodiversidade microbiana de um solo. Associado a isto, busca-se cada vez a adoção de práticas agrícolas mais conservacionistas que, em muitos aspectos, objetivam a minimização das perdas de biodiversidade de um solo. Finalmente, mas não menos importante, com o conhecimento dessa biodiversidade podemos aproveitá-la de maneira mais eficiente e sustentável.

Como podemos conhecer a biodiversidade do solo?

Considerando que a maior parte dos organismos que vivem nos solos são micro-organismos, a melhor ferramenta que podemos empregar para conhecer a biodiversidade de um solo é a análise genética. Com o uso de ferramentas deste tipo, como a AgriAnalysis, desenvolvida pela Biome4all, podemos estimar e descrever a biodiversidade de um solo, em termos taxonômicos e funcionais.

Segundo o Dr. André Oliveira de Souza Lima, cofundador da Biome4all, a informação obtida pode nos ajudar na escolha de práticas agrícolas que minimizem as perdas de diversidade de um solo, o que é fundamental para a manutenção da produtividade em longo prazo. O tipo de regime produtivo, o tipo de fertilizantes e defensivos e as quantidades utilizadas, e a escolha de determinadas bioinsumos são apenas exemplos de práticas agrícolas que influenciam a biodiversidade e que podem ser gerenciadas com base no conhecimento da microbiota de um solo.

Dr. Marcus Adonai Castro da Silva – cofundador da Biome4all