Três doenças da soja causadas por bactérias

Doenças da soja causadas por bactérias

Em uma postagem recente eu falei sobre algumas das doenças da soja que os fungos provocam. Apesar de serem menos danosas que os fungos, as bactérias também causam algumas doenças na soja. Por isso, é importante nos mantermos atentos a este grupo de micro-organismos. Sendo assim, neste texto irei abordar três doenças da soja provocadas por bactérias.

O crestamento bacteriano, umas das doenças da soja mais comuns

A espécie Pseudomonas savastanoi pv glycinea é o agente causador do crestamento bacteriano. O principal sintoma desta doença são manchas de tamanho pequeno e com aspecto translúcido nas folhas, contendo um halo amarelo. Estas manchas eventualmente se tornam necroses. Nas partes inferiores das folhas as manchas têm um aspecto escuro, contendo uma película brilhante. Apesar de os sintomas serem mais comuns em folhas jovens, outras partes aéreas também podem ser afetadas.

As plantas são infectadas com a bactéria patogênica a partir das sementes ou de restos do cultivo anterior, presentes no solo. O controle desta doença é feito com o uso de cultivares resistentes, pela seleção de sementes e através do preparo adequado do solo, em relação com os restos das culturas anteriores. A rotação de culturas é outra medida que pode ser usada no controle do crestamento bacteriano, bem como o manejo de plantas daninhas. Estas plantas também podem hospedar a bactéria que causa esta doença.

O fogo selvagem

Uma bactéria do gênero Pseudomonas também causa o fogo selvagem. Neste caso, o agente etiológico é a espécie Pseudomonas syringae pv. tabaci. Esta bactéria causa necroses com halo amarelo nas folhas, de tamanho e forma variáveis. Também pode ocorrer desfolha precoce quanto há infecções intensas.

Como o crestamento bacteriano, a bactéria que causa o fogo selvagem é disseminada por sementes infectadas e por restos de culturas anteriores. Além disso, ela pode penetrar na planta por lesões causados por outros organismos. Sendo assim, o controle é feito de maneira similar ao crestamento bacteriano.

A pústula bacteriana

Xanthomonas axonopodis pv. glycines causa a pústula bacteriana. Esta também é uma doença mais ocorrente nas folhas, mas que pode afetar outras partes aéreas. Os sintomas são as manchas de coloração parda e forma arredondada. Na parte inferior das folhas, estas manchas apresentam uma elevação de cor branca no centro e não apresentam o aspecto brilhante observado no crestamento bacteriano.

A transmissão se dá pelas sementes infectadas. Mas também pode ocorrer por restos de cultura. A espécie que causa a pústula bacterianasobrevive no solo cultivado com trigo, podendo infestar a lavoura seguinte de soja. Além disso, ela também sobrevive em plantas invasoras, que podem atuar como fontes do patógeno para a soja. A principal forma de controlar a pústula bacteriana é através de cultivares resistentes à doença.

A análise genética do solo no combate às doenças da soja provocadas por bactérias

A análise genética de solo é uma ferramenta muito útil no combate às pragas agrícolas, incluindo as bactérias patogênicas. Através de ferramentas como a Agri-Analysis da BIOME4ALL nós podemos detectar as espécies patogênicas no solo antes do cultivo. Isto permite que nós adotemos ações preventivas para evitar as doenças da soja, minimizando as perdas.

Por outro lado, nós também podemos avaliar o potencial natural de o solo combater as pragas bacterianas. Isto é feito avaliando a ocorrência de organismos capazes de controlar as pragas. Além disso, a Agri-Analysis também analisa os atributos funcionais que inibem o crescimento de bactérias patogênicas. Isto nos permite adotar ações de manejo mais assertivas, focando nos atributos que mais precisam de intervenção.

Marcus Adonai Castro da Silva, microbiologista e cofundador da BIOME4ALL