Fungos que beneficiam as raízes das plantas

Micorrizas interagindo com as raízes

As micorrizas são associações mutualísticas, na qual ambos os parceiros se beneficiam, entre certos tipos de fungos e as raízes das plantas. De maneira geral, há dois tipos de micorrizas, as ectomicorrizas e as endomicorrizas. Nas ectomicorrizas, o fungo não penetra na raiz da planta, ele coloniza a parte externa da raiz, envolvendo-a. Já as ectomicorrizas ocorrem em quase todos os tipos de árvores em florestas, sendo que uma mesma espécie de árvore pode viver em associação com mais de quarenta fungos diferentes.

Alguns tipos de micorrizas liberam grandes quantidades de enzimas nos solos. Com isso, elas aumentam a disponibilidade de nutrientes para os vegetais.

As endomicorrizas

O segundo tipo de associação entre fungos e raízes é o das endomicorrizas. Nestas associações, os fungos penetram nas células das raízes, ao contrário do que ocorre nas ectomicorrizas, que só se desenvolvem nas partes externas. As endomicorrizas estão presentes em 80% das plantas vasculares terrestres, o que enfatiza a importância deste tipo de interação biológica.

Os fungos endomicorrízicos são classificados no filo Glomeromycota e compreendem cerca de 300 espécies. Estes fungos produzem estruturas chamadas arbúsculos, quando se associam com os vegetais. A função dos arbúsculos é promover a troca de substâncias entre o fungo e o vegetal. Por causa da produção dessas estruturas, tais fungos são conhecidos como fungos micorrízicos arbusculares.

Formação e importância das endomicorrizas para as plantas

Para o estabelecimento de uma interação com uma planta, o esporo de um fungo micorrízico, presente no solo, germina e produz um micélio que reconhece o vegetal. Em seguida, o fungo produz uma estrutura chamada hifopódio. Dessa estrutura, hifas penetrantes se estendem para o meio intracelular do vegetal. Uma vez no interior da célula da planta, o fungo produz o arbúsculo, promovendo uma maior superfície de contato com o vegetal. Nesta interação, o fungo e a planta se comunicam por vários sinais químicos.

Os fungos endomicorrízicos realizam a transferência de nitrogênio orgânico e de fósforo para o vegetal. Eles também aumentam a absorção de alguns microelementos, como o zinco, o manganês e o cobre, e de água. Por último, os fungos endomicorrízicos contribuem para a resistência da planta contra fitopatógenos e nematódeos. Em contrapartida, as plantas fornecem para o fungo carbono fixado, na forma de açúcares, e vitaminas essenciais.

Importância das micorrizas para a agricultura

Apesar do reconhecimento da importância ecológica das micorrizas ser antigo, o seu estudo no contexto agrícola é mais escasso, em comparação com o estudo de outros tipos de micro-organismos. Porém, com os estímulos oriundos das políticas nacionais de uso de bioinsumos, há um incremento no interesse sobre a aplicação destes fungos na agricultura como alternativas aos produtos de uso mais tradicional

Uma das possibilidades de utilização das micorrizas na agricultura, indicada por pesquisadores da Embrapa, reside nas culturas do cerrado. Nesses solos, há uma baixa disponibilidade de fósforo, o que limita o crescimento vegetal. Porém, as micorrizas podem aumentar a capacidade dos vegetais absorverem fósforo quando cultivadas nestes locais, favorecendo, assim, uma maior produtividade.

As micorrizas também podem ser utilizadas em um contexto mais ambiental, porém que apresenta relação com as práticas agrícolas. Assim sendo, as micorrizas foram sugeridas como uma estratégia de biocontrole e na colonização de solos degradados, como estratégia de recuperação ambiental. Outra possibilidade é o emprego das micorrizas como forma de aumentar os processos de ciclagem dos elementos nos solos, incluindo a capacidade de sequestro de carbono.

Produção comercial de micorrizas

Em comparação com outros micro-organismos, a produção de micorrizas é de maior dificuldade. Isto se deve ao fato desses fungos somente viverem em associação com as plantas, o que impede o seu cultivo em meio sintético. De forma geral, a produção de micorrizas se dá de forma associada com as raízes das plantas em vários sistemas como, por exemplo, cultivos in vitro ou em casas de vegetação. Até o momento apenas uma empresa possui registro no Mapa (Ministério do Abastecimento, Agricultura e Pecuária) para a produção de inoculantes baseados em fungos micorrízicos arbusculares.

Para avaliar os micro-organsmo presentes nos solos agrícolas e decidir a melhor forma de manejo para garantir sanidade e produtividade dos cultivos, a Biome4all realiza a análise genética por meio da ferramenta Agri-Analysis.

Dr. Marcus Adonai Castro da Silva – cofundador da Biome4all