O microbioma e a produtividade do solo

Uma pergunta frequente surge quando discutimos a possibilidade de analisar a microbiota de um solo para o manejo agrícola, por meio de ferramenta Agri-Analysis, desenvolvida pela Biome4all: como o conhecimento adquirido com essas análises podem afetar positivamente a produtividade da minha lavoura? Nesse texto, indicarei a relação entre os micro-organismos e a produtividade do solo.

Os fatores que afetam a produtividade do solo

A produtividade de um solo é afetada por vários fatores, porém, os principais estão relacionados com a nutrição vegetal. Como sabemos, as plantas demandam de uma série de nutrientes para se desenvolverem. Na maioria dos casos, elas absorvem esses nutrientes a partir de formas inorgânicas presentes no solo, através da raiz.

Uma das maneiras de incrementar a produtividade de um solo é pela aplicação de diferentes tipos de fertilizantes. Nesses insumos, nutrientes como o nitrogênio e o fósforo são fornecidos aos vegetais em grandes quantidades. Porém, apesar desse benefício, a aplicação de fertilizantes pode ter, em um prazo não tão longo, efeitos negativos sobre o solo e o meio ambiente em geral. Muitos dos fertilizantes comerciais de maior uso são minerais. Há também fertilizantes orgânicos, entre os quais encontram-se alguns dos produtos menos danosos ao solo.

A influência dos micro-organismos sobre a produtividade

Uma das estratégias mais recentes utilizadas para incrementar a produtividade de um solo, reduzindo ou até eliminando a aplicação de fertilizantes, é pelo uso de micro-organismos em insumos biológicos. Nesses casos os organismos são introduzidos no solo para que facilitem a absorção de nutrientes pelas plantas.

As maneiras pelas quais os micro-organismos podem auxiliar as plantas na sua nutrição são várias. Em primeiro lugar, os micro-organismos podem incrementar as concentrações de um nutriente no solo. Um bom exemplo deste tipo de processo é a fixação do nitrogênio. Por meio dela, os micro-organismos aumentam as quantidades de nitrogênio no solo, convertendo a forma gasosa desse elemento, que se encontra em grande abundância na atmosfera, em uma forma que as plantas podem assimilar. A fixação do nitrogênio pode ocorrer livremente no solo ou em associação com as plantas. Nestes casos, micro-organismos simbióticos como os rizóbios estão envolvidos.

Outra forma dos microrganismos disponibilizam nutrientes para os vegetais é pela conversão desse elemento de uma espécie química que não está acessível às plantas para espécies químicas que elas podem absorver. Um bom exemplo deste tipo de processo é a solubilização de fosfato.

O fósforo é um elemento fundamental, pois está relacionado com as reações que fornecem energia para o crescimento e a reprodução de todos os seres vivos. Muitos solos apresentam quantidades altas de fósforo, porém este elemento se encontra em uma forma mineral não solúvel, que as plantas são incapazes de absorver. Os micro-organismos podem produzir moléculas como ácidos orgânicos que solubilizam o fósforo presente nos minerais, facilitando a absorção pelas plantas.

Há uma terceira maneira pela qual os micro-organismos podem favorecer a nutrição das plantas e tornar um solo mais produtivo. Ela envolve a mineralização da matéria orgânica. Quando a matéria orgânica é processada pelos micro-organismos, os nutrientes presentes nela são liberados para o solo e as plantas podem absorvê-los para o seu crescimento. Provavelmente, essa é a forma de aumentar a produtividade do solo mais difundida entre os micro-organismos.

Como podemos aproveitar este potencial natural

Pela exposição que acabei de fazer, vemos que se pode usar os micro-organismos para aumentar a produtividade de um solo. Mas, o sucesso desta estratégia depende de conhecermos muito bem o nosso solo, não apenas nos seus aspectos físicos e químicos, mas também nas suas características biológicas.

Uma das ferramentas que fornece mais informações sobre os micro-organismos que vivem no solo é a análise genética. Com o emprego de ferramentas como AgriAnalysis, nós podemos identificar os potenciais e as deficiências de um solo, direcionando as nossas escolhas para melhorar este potencial. Esse tipo de abordagem é essencial na busca de práticas agrícolas mais sustentáveis e que forneçam produtos mais seguros ao consumidor.

Dr. Marcus Adonai Castro da Silva – cofundador da Biome4all.