Qual é a importância do carbono para plantas e solos?

Imagem sobre a importância do carbono: solo com pequenas mudas e um balão escrito CO2

As plantas crescem e se multiplicam a partir da absorção de nutrientes, elementos químicos encontrados principalmente no solo, mas também na água e na atmosfera.

Um bom exemplo de nutriente é o carbono, disponível no ar e na terra. Mesmo não sendo utilizado diretamente pelas plantas, ele é essencial para elas e para o próprio solo. A seguir, explicamos em detalhes como isso acontece. Confira:

A importância do carbono para a biota do solo

A matéria orgânica é um dos reservatórios de carbono do solo. Ela se origina das próprias plantas, a partir da conversão do carbono da atmosfera em biomassa vegetal.

Na terra, a matéria orgânica repleta de carbono alimenta micro-organismos e pequenos animais, além de ajudar a crescer a biota (conjunto de seres vivos de um ambiente) e servir de fonte de energia para a maioria dos organismos ali presentes.

Tudo isso ilustra a importância do carbono para os organismos vivos do solo, que, por tabela, são fundamentais para a saúde das plantas, já que combatem pragas agrícolas e dão suporte diante de condições ambientais prejudiciais (seca, etc.).

Além disso, a biota do solo também ajuda as plantas a se nutrirem, favorecendo o acesso aos elementos minerais que elas necessitam no terreno. É por isso que o carbono do solo é tão benéfico aos vegetais. Sem ele, a microbiota benéfica é prejudicada e as plantas deixam de se beneficiar.

Práticas agrícolas que reduzem a matéria orgânica do solo

Se o carbono é o principal componente da matéria orgânica, todas as rotinas prejudiciais a ela também serão responsáveis por reduzir os teores de carbono dos ecossistemas.

Nesse sentido, a monocultura é uma das práticas capazes de degradar o terreno e reduzir sua matéria orgânica, assim como o solo descoberto em períodos de entressafra.

Já o uso de fertilizantes químicos pode afetar a retenção do carbono no solo. Contra isso, uma alternativa é investir na própria microbiota como fertilizante biológico, aumentando sua fertilidade.

Dessa forma, o produtor consegue favorecer o sequestro de carbono (captura desse elemento na atmosfera), podendo inclusive gerar valor econômico ao convertê-lo em créditos.

Como avaliar a ação da microbiota no sequestro de carbono?

Para avaliar como a microbiota pode contribuir para o sequestro de carbono, o mais indicado é usar a análise genética do solo. A Biome4all, por meio da Agri-Analysis, recomenda o produto B4CARBON, que identifica as funções microbianas associadas com a ciclagem de carbono e nitrogênio, enfatizando os processos de emissão e captura das formas gasosas destes elementos.

A partir dessa informação, é possível aperfeiçoar a tomada de decisão com relação às práticas agrícolas, visando melhorar o balanço de carbono do solo. Isso torna o terreno mais saudável e melhora o crescimento vegetal, além de contribuir para o ganho econômico e ambiental associado ao sequestro de carbono.

Para saber mais sobre a aplicação das ferramentas de análise genética na avaliação do carbono do solo, entre em contato conosco!

Texto: Prof. Marcus Adonai Castro da Silva, microbiologista e cofundador da Biome4All