Três benefícios da microbiota para as plantas de cobertura

As plantas de cobertura, como o nome sugere, são espécies vegetais empregadas para cobrir o solo. A utilização desta vegetação traz inúmeros benefícios aos sistemas agrícolas, entre eles:

  • Diminuição da erosão do solo;
  • Redução da lixiviação de nutrientes;
  • Aumento do teor de matéria orgânica do solo;
  • Utilização direta pelo produtor (no pastoreio, por exemplo).

Além disso, as plantas de cobertura também influenciam a estrutura de micro-organismos presentes no solo, podendo trazer efeitos benéficos para outras culturas. Confira a seguir três destes efeitos:

1. Alteração do microbioma

A modificação da cobertura vegetal sempre altera a microbiota do solo. Isso acontece porque cada espécie vegetal libera exsudatos pelas raízes em qualidade e quantidade diferentes. Logo, dependendo das moléculas liberadas pelas raízes das plantas, vários micro-organismos do solo serão favorecidos.

O resultado disso pode ser observado a partir da análise os solos cultivados com diferentes plantas de cobertura. Para isso, existem métodos que avaliam de maneira completa a microbiota do solo a partir da análise de DNA, como o Fullbio, da Biome4all.

2. Melhora da fertilidade do solo

As mudanças na comunidade microbiana também podem beneficiar a mineralização de nutrientes. Isso é importante porque a absorção dos nutrientes do solo é feita principalmente a partir de suas formas minerais, então o incremento da mineralização acaba melhorando o desenvolvimento das plantas.

Outro efeito sobre a fertilidade do solo (já mencionado, inclusive) é o incremento da matéria orgânica do solo, responsável pelo aumento da atividade microbiana. Além disso, há também a possibilidade de aumentar a fixação de nitrogênio atmosférico a partir de certas plantas de cobertura, aumentando o nitrogênio no solo.

3. Ajuda no combate às pragas

Outro efeito muito importante da presença de plantas de cobertura é o aumento da capacidade do solo em eliminar pragas agrícolas, algumas delas intrínsecas a espécie de planta de cobertura cultivada.

Contudo, o aumento da supressividade de um solo a pragas também pode estar relacionado com a seleção de organismos que antagonizam espécies patogênicas de micro-organismos e organismos maléficos, como insetos e nematoides.

Este potencial supressivo varia conforme a espécie vegetal e reflete a capacidade de diferentes plantas de cobertura selecionarem micro-organismos diferentes no solo.

Como a análise genética ajuda a planta de cobertura?

Muitos se questionam qual seria a espécie ideal de planta de cobertura, mas o fato é que não existe um tipo único para todos os solos. Isso porque as espécies apresentam potenciais variados e podem provocar a seleção de organismos indesejados.

Por isso, para escolher a melhor planta de cobertura, é importante avaliar as espécies possíveis e conhecer as questões envolvidas no seu cultivo, como clima e tipo de solo.

A partir da análise genética, técnica dominada pela Biome4all, é possível compreender as deficiências e potenciais naturais do solo e como elas podem ser modificadas pela planta de cobertura.

Para saber mais sobre a Biome4all e seus produtos de análise genética do solo, entre em contato!

Texto: Prof. Marcus Adonai Castro da Silva, microbiologista e cofundador da Biome4all